Arquivo mensal: fevereiro 2014

Ajuda-me, Senhor!

Ajuda-me, Senhor!
George Foster

JÁ PERCEBI NO DECORRER DOS ANOS uma diversidade entre os seguidores de Jesus Cristo no grau de consciência da necessidade da ajuda do Senhor. Alguns sabem que precisam muito desta ajuda e são sistemáticos e disciplinados em buscá-la. Outros esperam estar em extrema necessidade para buscarem até desesperadamente. Outros não gastam o tempo necessário para buscar ajuda; simplesmente acham que, sendo povo de Deus, esta ajuda lhes pertence por direito e não há necessidade de se preocupar em “pedir/buscar/bater”.
Confesso que já passei por várias fases com relação à dependência de Deus. Atualmente, porém, estou cada vez consciente da minha necessidade de receber a ajuda do Senhor em todas as coisas e em todos os momentos por mais simples que seja o projeto ou ministério. Fico lembrando as palavras de Jesus:
“Permaneçam em mim, e eu permanecerei em vocês. Nenhum ramo pode dar fruto por si mesmo, se não permanecer na videira. Vocês também não podem dar fruto, se não permanecerem em mim. Eu sou a videira; vocês são os ramos. Se alguém permanecer em mim e eu nele, esse dará muito fruto; pois sem mim vocês não podem fazer coisa alguma.” (João 15.4-5 NVI).
Com esta conscientização, fiquei curioso um tempo atrás ao reparar que vinha fazendo sempre a mesma oração: “Ajuda-me, Senhor, a fazer com que meu coração seja totalmente teu.” Passei a chamar isso de “oração automática”.
Não havia planejado orar assim. Não fui ensinado a fazer isso. Não considerava estas palavras mágicas ou que fossem algum fórmula especial para ser abençoado. Procediam espontaneamente do fundo do coração. Com o passar do tempo, as palavras passaram de espontáneas, para habituais, para intencionais e constantes. Na medida que vinha sentindo necessidade, acrescentei outras frases.
Mas não pense que são apenas palavras; são desejos e súplicas que tenho colocado seriamente diante de Deus. Por exemplo, oro Ajuda-me, Senhor, a…

• desfrutar de uma caminhada constante e íntima contigo,
• abraçar o que te agrada e fugir do que te entristece,
• investir estrategicamente no crescimento do teu reino,
• cuidar carinhosa e sábiamente da esposa e da família,
• andar em amor e verdade com meus colegas,
• ler, entender, obedecer e anunciar à tua Palavra,
• depositar minha confiança completamente em ti,
• ser guiado e capacitado pelo Espírito Santo,
• servir aos outros com compaixão e discernimento,
• compartilhar minha fé com sabedoria, coragem e eficiência,
• encorajar, fortalecer, confortar e desafiar os servos do Senhor,
• perdoar àqueles que me maltratarem ou prejudicarem,
• pedir perdão de qualquer pessoa que eu ofenda ou prejudique.
Ah, sim, preciso muito da ajuda de Deus, pois reconheço no fundo da alma e por experiência própria a verdade e a sabedoria contidas naquelas palavras de Jesus: “Sem mim nada podeis fazer”.
Ao mesmo tempo, tenho uma confiança cada vez mais forte na bondade, fidelidade, e poder de Deus. Olho para traz e revisito as inúmeras vezes quando meu único recurso foi Deus e Ele jamais falhou comigo. Deus diz quem ele é e faz o que promete fazer.
São muitos os meus pedidos de ajuda, todos válidos e importantes. Reconheço, porém, que o mais importante é o primeiro: Ajuda-me a tornar meu coração totalmente teu.
O que preciso em todos os casos é submissão à vontade do Senhor, fé no seu caráter e obediência à sua palavra. O que não posso fazer é deixar a presunção tomar o lugar da fé. A Bíblia afirma que sem ele nada posso fazer, mas afirma também, “Tudo posso naquele que me fortalece” (Filipenses 4.13).
Não devo diminuir a expectativa, mesmo quando não sei fazer. Pelo contrário, devo aumentar a expectativa contando com a ajuda de Deus. Nada é impossível para Deus! Nada é impossível para quem crê!